COLETA SELETIVA
Estudos apontam que cada pessoa produz em média 1,5 quilo de lixo/resíduos por dia. Pesquisa realizada pelo CEMAIS no condomínio Parque Residencial Santa Bárbara indicou que a produção de lixo/resíduos no empreendimento é de 0,9 gramas (novecentos gramas), por pessoa, considerando número de unidades habitacionais X moradores por apartamento e o consumo indicado pelos entrevistados, estes, foram selecionados de forma aleatória.
RESULTADOS DA PESQUISA SOBRE A PRODUÇÃO DE RESÍDUOS NO CONDOMÍNIO.
https://onedrive.live.com/view.aspx?cid=5cd68f8427c18cc5&page=view&resid=5CD68F8427C18CC5!1252&parId=5CD68F8427C18CC5!940&app=PowerPoint

 

PALESTRAS
Consumidor, Catador, Logística Reversa, Responsabilidades Compartilhadas. A PNRS atribuiu aos Municípios o desenvolvimento do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos – PGIRS e neste são apresentados os conceitos de Logística Reversa, Responsabilidade Compartilhada. O conteúdo diz respeito diretamente ao Consumo e à Gestão de resíduos, com os mais diversos tipos presentes em nosso dia a dia. Discute o Desenvolvimento Sustentável para reflexão acerca do que estamos fazendo com a nossa “casa”, o planeta Terra.⦁ Lixo, e eu com isso. O Catador como Agente Ambiental e a sua contribuição para o Meio Ambiente. Apresenta alternativas para desenvolvimento de programa de coleta seletiva organizada a partir da própria comunidade, tendo como atores principais o catador autônomo e o sucateiro, reconhecendo e valorizando suas atividades na construção de uma Cidade Educadora e Sustentável.

 

FORMAÇÃO DE REDE
Atuar em rede é permitir sonhar, desenvolvendo ações para a realização de sonhos coletivos. O CEMAIS desde a sua fundação buscou atuar em rede, foi a entidade proponente da RESAE – Rede Social, Ambiental e Empresarial de São Mateus, que ainda não se constituiu legalmente, e que atualmente adquiriu novo formato com o nome Grupo de Lideranças de São Mateus.

 

TERCEIRO SETOR
Terceiro Setor é um termo sociológico utilizado para definir organizações de iniciativa privada, sem fins lucrativos e que prestam serviços de caráter público. No Brasil, assim como no restante do mundo, a sociedade é dividida em três setores. O primeiro consiste nas instituições estatais comandadas pelo governo municipal, estadual e federal, que administram os bens e serviços públicos e representam portanto as ações do Estado. O Segundo Setor, por sua vez, corresponde as empresas e ao capital privado, cujos recursos são empregados em benefício próprio, visando alcançar fins lucrativos. O Terceiro Setor, consiste em um amplo e diversificado conjunto de instituições como fundações, associações comunitárias, organizações não-governamentais, entidades filantrópicas, que são iniciativas privadas sem fins lucrativos, que atuam em prol do bem comum e da cidadania. Às organizações do Terceiro Setor tem algumas características específicas, são legalmente constituídas; tem estrutura básica não governamental; sua Gestão é própria e não tem fins lucrativos com uso significativo de mão de obra voluntária.

 

COOPERATIVISMO
É a doutrina que preconiza a colaboração e a associação de pessoas ou grupos com os mesmos interesses, a fim de obter vantagens comuns em suas atividades econômicas. O associativismo cooperativista tem por fundamento o progresso social da cooperação e do auxílio mútuo segundo o qual aqueles que se encontram na mesma situação desvantajosa de competição conseguem, pela soma de esforços, garantir a sobrevivência. Como fato econômico, o cooperativismo atua no sentido de reduzir os custos de produção, obter melhores condições de prazo e preço, edificar instalações de uso comum, enfim, interferir no sistema em vigor à procura de alternativas a seus métodos e soluções. Será considerada como cooperativa, seja qual for a constituição legal, toda a associação de pessoas que tenha pôr fim a melhoria econômica e social de seus membros pela exploração de uma empresa baseada na ajuda mínima e que observa os Princípios de Rochdale, sendo eles: Adesão livre; administração democrática; retorna da proporção das compras; juro limitado ao capital; neutralidade política e religiosa; pagamento em dinheiro a vista; e fomento da educação cooperativa.

 

EDUCAÇÃO COMUNITÁRIA
 A educação comunitária é um instrumento de solução para a insuficiência educacional de grupos sociais desprivilegiados, bem como de valorização das comunidades, tendo como elemento intrínseco o desenvolvimento do ser coletivo, e podendo atuar no esforço da emancipação do indivíduo. O trabalho comunitário sempre esteve ligado ao viés de soluções para os problemas sociais e de valorização da comunidade como unidade básica de desenvolvimento. Para o desenvolvimento da comunidade, é preciso focar no desenvolvimento humano e enfatizar o desenvolvimento do ser coletivo.
A melhoria de vida das pessoas dos setores excluídos socialmente, seja por fatores econômicos, seja por fatores culturais, permeia a educação comunitária, que atua como instrumento de solução para a insuficiência educacional desses grupos, valorizando-os.